Hepatite Virais - o que são? Como tratar e prevenir?

Atualizado: Jul 22



HEPATITE é um nome genérico e significa que existe uma inflamação no fígado, existem várias causas como alcoólica, auto-imune, tóxica (medicamentos, substâncias químicas), doenças hereditárias e causas infecciosas. Entre as causas infecciosas as hepatites mais comuns são a Hepatite A, B e C.


A Hepatite A geralmente ocorre em crianças e faz parte das viroses comuns da infância, transmissão fecal-oral e entre os principais sintomas estão febre, mal estar, dor no corpo, icterícia (pele e olhos amarelos), acolia fecal (fezes brancas) e coluria (urina marrom). Na grande maioria dos casos a hepatite A é uma doença autolimitada, raramente cronifica ou cursa com uma hepatite fulminante. Quando ocorre em adultos, o risco de complicações é um pouco maior. O tratamento é feito só com repouso e medicamentos sintomáticos. A melhor forma de prevenção, além de saneamento básico e cuidados de higiene, é a Vacina da hepatite A, disponível no Brasil desde 1996 e faz parte do calendário vacinal.


A Hepatite B é causada pelo vírus da hepatite B, a transmissão ocorre pelo contato com sangue e secreções contaminadas pelo virus, sendo a principal forma de transmissão a sexual, além da transmissão vertical - da grávida contaminada para o filho. A doença na fase aguda pode se apresentar com sintomas leves inespecíficos como dor de cabeça, febre e mal estar ou sintomas clássicos de hepatite com icterícia e dor abdominal, e ainda grande parte dos casos são assintomáticos na fase inicial, o que torna o diagnóstico precoce mais difícil. Cerca de metade dos casos os pacientes evoluem com cura espontânea, e o restante evoluem com persistência do vírus evoluindo para a forma crônica e em alguns casos até cirrose. O tratamento é feito com medicamentos antivirais oferecidos pelo SUS, e dependendo do caso pode ser necessário uso de medicamentos por tempo indeterminado (contínuo). A prevenção ocorre com uso de preservativos, não compartilhar materiais perfuro-cortantes, testagem dos grupos de risco, grávidas e em todos pacientes com alterações nos exames do fígado. Mas a principal forma de prevenção também é a vacinação ampla de toda a população, que iniciou-se no Brasil em 1992.


Hepatite C é causada pelo vírus da hepatite C, a maioria dos pacientes são assintomáticos na fase aguda e geralmente evoluem para a forma crônica da doença. A Hepatite C é uma das principais causas de cirrose e câncer hepatico, além de uma das principais indicações de transplante do fígado. A principal forma de transmissão é por contato com materiais perfuro-cortantes contaminados, sendo muito comum em usuários de drogas injetáveis e pacientes com histórico de transfusão sanguínea antes de 1992 (quando não existia testagem para hepatite C nos doadores), a transmissão sexual também pode ocorrer mas não é tão comum, e até 50% dos pacientes não se consegue identificar a forma de transmissão.

Até o momento não existe vacina para Hepatite C, e a melhor forma de prevenção é a testagem em massa da população com identificação dos casos e tratamento dos mesmos.

O tratamento dessa hepatite evoluiu radicalmente nos últimos 10 anos, de forma que passou de um tratamento complexo, com muitos efeitos colaterais e baixa eficácia, para um tratamento simples, praticamente sem efeitos colaterais, com eficácia de quase 100%, e o melhor: totalmente gratuito - oferecido pelo SUS!


Com os novos tratamentos houve uma redução importante dos casos, porém nosso objetivo é a erradicação da hepatite C! E como ela é uma doença silenciosa e que se manifesta só na fase avançada, é de suma importância a testagem de todos com mais de 40 anos e os grupos de risco ( profissionais de saúde, usuário de drogas injetáveis, tatuagens, múltiplos parceiros sexuais, entre outros)

para identificar os casos que ainda existem e o pronto tratamento!


Neste julho amarelo, que tem o foque na prevenção das hepatites virais, o esforço está voltado para a identificação dos casos de hepatite C que ainda existem e não foram devidamente tratados. Sendo assim a SBH (Sociedade Brasileira de Hepatologia) está em campanha oferecendo e orientando a testagem pelo SUS para todos pelo 0800 882 8222.

Outras hepatites também que devem ser lembradas, porém bem menos prevalentes, estão a hepatite E - que também é uma hepatite aguda e geralmente auto-limitada semelhante a Hepatite A, com maior risco de complicações em grávidas.


E a Hepatite D (Delta) que só infecta pacientes previamente infectados pela Hepatite B, evoluindo com cronicidade e mais comum em pacientes da região amazônica.

Essas duas últimas hepatites também não possuem vacinas.


Dra Valeria Dantas de Oliveira

Hepatologista

CRM DF 17292

47 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo